Otero, o substituto de Cazares

Foto: Twitter oficial da Seleção Venezuelana (@SeleVinotinto)

Foto: Twitter oficial da Seleção Venezuelana (@SeleVinotinto)

Poucas são as dúvidas acerca da qualidade do elenco do Atlético Mineiro. Fartura de opções com diferentes perfis para as mais variadas posições é encontrada quando se analisa o plantel alvinegro. Apesar disso, muitas peças ainda não encontraram seu melhor futebol e outras não tem podido atuar, lesionadas.

Uma delas é o equatoriano Juan Cazares, jogador de maior destaque do ano do Galo. Diante disso e das dificuldades que também tem enfrentado com as contusões em sequência de Jesús Dátolo, o clube buscou, por empréstimo com opção de compra, uma nova solução: Rómulo Otero, camisa 10 da Seleção Venezuelana.

Cria da base do Caracas, o jovem de 23 anos estreou com apenas 16 anos. Já se notava ali qualidade suficiente para que o garoto pudesse atuar no futebol profissional com destaque. Lá, conquistou um Campeonato Venezuelano e uma Copa da Venezuela. Otero permaneceu em seu país até 2015, quando trocou-o pelo Chile, onde vestiu por um ano a camisa do Huachipato, emprestado. Findo o vínculo temporário, os Acereros contrataram-no em definitivo, cedendo-o ao Atlético.

Foto: Twitter oficial Huachipato FC (@huachipato)

Foto: Twitter oficial Huachipato FC (@huachipato)

Com a camisa do Caracas, o meia disputou 123 jogos e balançou as redes adversárias em 21 ocasiões. Por sua vez, defendeu o time chileno em 21 turnos, anotando oito tentos e criando 10 assistências. Com esses números, passou a interessar os três clubes com maior representação no Chile: Colo-Colo, Universidad de Chile e Universidad Católica. Acabou, por fim, firmando pelo Atlético, clube em que atuará por um ano.

 Leia mais: O diferencial chamado Cazares 

É preciso ressaltar que desde 2013 Otero representa a Seleção Vinotinto, já tendo atuado em 18 partidas, marcado cinco gols e criado três assistências. No país, é considerado o sucessor de Juan Arango, para muitos o maior jogador da história do futebol venezuelano.

Precoce e dono de bons números, Otero chama atenção à primeira vista. Mas como atua o novo reforço atleticano?

Foto: Twitter oficial Huachipato FC (@huachipato)

Foto: Twitter oficial Huachipato FC (@huachipato)

A faixa em que mais se encaixa é a central do meio-campo ofensivo, o que não quer dizer que o atleta não tenha facilidade para flutuar pelo setor, deslocando-se também pelos dois lados do campo. Segundo o site Futebol Planejado, especializado em análises relacionadas à gestão do futebol, Otero “transita do centro para o lado e do lado para o centro com bastante inteligência e participação (…) trata-se de um jogador de grande influência nos momentos intermediários e finais da fase ofensiva”.

Além disso, como características individuais, o meia tem destaque no drible e nas finalizações de média distância, tanto em cobranças de faltas quanto com a bola em ação, mostrando muita perícia com o pé direito. Por seus predicados, mostra-se mais parecido com Cazares do que com Dátolo, até mesmo por sua condição física, não sendo jogador forte, mas compensando essa deficiência com velocidade.

“O 10 é chave no sistema, o futebol evoluiu e agora ele não só fica encarregado de cobrar faltas, escanteios ou de chutar de longe. Temos Rómulo Otero, que é meu grande projeto para essa posição e a ideia é que seja direto, capaz de se relacionar, de levar a equipe à frente e chegar ao gol”, disse o treinador Miguel Ponce ao periódico La Tercera, comandante do Huachipato, quando de sua chegada ao clube chileno.

http://www.cdf.cl/cdf/nacional/en-el-clausura-nadie-es-mas-influyente-que-romulo-otero/2016-05-03/115348.html

Fonte: Reprodução | cdf.cl/cdf/nacional/en-el-clausura-nadie-es-mas-influyente-que-romulo-otero/2016-05-03/115348.html | Acesso em 20/07/2016

Com isso em mente, é fácil perceber o que o Galo buscou no jogador. Embora tenha muitos jogadores de qualidade para o setor ofensivo, especificamente para o centro do meio-campo ofensivo, o clube ficou sem boas referências capacitadas para armar e organizar seu jogo com as ausências de Dátolo e Cazares.

Mais que isso: diante do ótimo desempenho de seu camisa 11 equatoriano, o clube foi atrás de um atleta com semelhantes atributos. Todavia, reconhecendo já ter um elenco com muitas opções e enxergando em Otero uma aposta, os alvinegros o trouxeram por empréstimo, diminuindo os riscos de um fracasso e a expectativa por grandes resultados.

No campo, é praticamente impossível não enxergar o novo contratado do Atlético atuando pelo centro da linha de três meias ofensivos que atua por trás do centroavante alvinegro. É fácil tirar essa conclusão diante da variedade de opções para as pontas e escassez de atletas pelo centro, como os improvisos de Robinho ou Patric não nos deixam mentir. A contratatação de Otero é a tentativa de devolver ao time a criatividade que só existiu quando Cazares esteve em campo, na busca pela reorganização do time.

Advogado graduado pela PUC Minas, pós-graduando em Direito Desportivo e Negócios do Esporte, 24 anos. Admito minha preferência pelo futebol bretão, mas aprecio o esférico rolado qualquer terra. Desde a infância, tenho no atacante Marques e no argentino Pablo Aimar referências; o melhor jogador que vi jogar foi o lúdico Ronaldinho Gaúcho, na temporada 2004/05. Estou também no "O Futebólogo", meu blog.