Tabelando com Yuri, atual artilheiro da Copinha

(por Leonardo Missio)

A Ponte Preta foi eliminada nas oitavas de final da Copa São Paulo de futebol júnior. A Macaca empatou em 1×1 com o Batatais e perdeu nos pênaltis. Mas, apesar da eliminação precoce, deu tempo do atacante Yuri mostrar muito futebol. Com 18 anos, o garoto de Nova Era – MG, cidade com cerca de 18.000 habitantes, fez o Brasil conhecer seu nome. Foram 09 gols marcados em 06 jogos. O atacante que começou o campeonato no banco de reservas saiu em alta sendo o artilheiro da Copinha (até a publicação desta entrevista).

“[…] uma coisa que aprendemos aqui foi a sonhar e criar metas. Mesmo no banco de reservas eu me imaginava sendo artilheiro do clube, artilheiro da Copinha. Porque se eu não acreditasse em mim quem iria acreditar?

Yuri começou a jogar bola cedo, com 4 anos treinava futsal e com 7 foi para o futebol de campo. Com 9 já estava no Cruzeiro, onde ficou até os 12 anos, após isso rodou outros clubes. Chegou a passar um semestre na categoria de base do Atlético MG. Até que em 2014 fez uma avaliação na Ponte Preta e foi aprovado. No ano seguinte, Yuri foi o artilheiro da Macaca no Campeonato Paulista Sub-17, com 16 gols. E em 2016, mais 16 gols e o terceiro lugar na artilharia do Paulista Sub-20.

O centroavante não lembra os jogadores da posição. Yuri gosta de marcar gols e de fato nasceu para isso, mas não é o tipo que só joga bem dentro da área ou apenas com a bola nos pés. O jogador sabe se posicionar sem a bola, puxar a marcação e abrir espaços na zaga adversária. Admira o atacante que faz gols, mas também aqueles que saem da área, recebem a bola e erguem a cabeça. Esse é o estilo do goleador.

O Tabelando conversou com o atacante, que nos contou seus planos para o futuro e também falou sobre a Copa São Paulo:

Tabelando – A eliminação para o Batatais foi difícil. A Ponte encerrou o campeonato sem nenhuma derrota. Fica aquela sensação de que poderiam ter ido mais longe?

Yuri – A eliminação para o Batatais trouxe tristeza para todo pois sabíamos que poderíamos ter ido mais longe. Nós fizemos uma campanha excelente e a nossa equipe estava preparada para ir muito mais longe. Mas jogo é jogo, infelizmente a vitória não veio. Agora é nos preparar para as outras batalhas que estão por vir.

Tabelando – Com a sua entrada o time também melhorou. Você não só marcou gols, mas também estava bem posicionado, deu assistências.

Yuri – Fico feliz em saber que comigo em campo a equipe melhorou. Mas o que fez o time evoluir durante a competição, foi que tivemos maturidade e também a força da equipe unida, comissão técnica e os jogadores. Todos muito capacitados e conseguiram melhoras durante o campeonato.

Tabelando – Você começou a copinha na reserva. No primeiro jogo que foi titular fez 4 gols. Isso foi você provando que merecia uma chance como titular?

Yuri – Sim. Eu comecei a copinha no banco de reservas, porém eu me preparei bastante para cada momento, independente se eu começaria como titular ou reserva. Uma coisa eu tinha em mente, eu estava preparado. Graças a Deus eu entrei e pude sim, mostrar meu futebol. Com certeza queria a titularidade, mas o mais importante é poder ajudar a equipe.

Tabelando – Enquanto a Ponte esteve na Copinha você foi o artilheiro. Quando começou o campeonato você já tinha essa meta?

Yuri – Com toda certeza, uma coisa que aprendemos aqui foi a sonhar e criar metas. Mesmo no banco de reservas eu me imaginava sendo artilheiro do clube, artilheiro da Copinha. Porque se eu não acreditasse em mim quem iria acreditar? E graças a Deus eu sonhei, imaginei, me preparei para isso e pude fazer esses gols. Para mim é uma conquista individual, mas o mais importante é sempre ajudar a equipe.

Tabelando – Entrou na Copinha como reserva e saiu conhecido por todo Brasil. Qual a sensação?

Yuri – É uma sensação excelente. Saio da competição triste porque podíamos ter ido mais longe, mas honrado por essa conquista que é excelente para minha carreira e para a Ponte Preta.

Tabelando – A Ponte Preta precisa de atacantes para o ano de 2017. No elenco profissional são apenas três nomes para a posição, William Pottker, Clayson e Lins. Espera por uma oportunidade? Já houve algum contato do clube?

Yuri – Eu espero sim pela oportunidade. Afinal nós da base estamos aqui para isso e trabalhamos para isso, para chegar no profissional. E estamos à disposição, isso está para ser resolvido. Estamos esperando ansiosamente por qualquer decisão da diretoria. E se tiver oportunidade vou dar o meu máximo.

Tabelando – Metas para o futuro?

Yuri – Chegar ao profissional, ter um bom desempenho na transição. Trazer alegria para a torcida da Ponte Preta. Conseguir evoluir na minha carreira e cada vez trabalhar mais. Isso aqui é só o começo e em nome de Jesus eu posso ir muito mais longe.

Tabelando – Jogador em que se espelha?

Yuri – Existem dois jogadores que me espelho bastante. Primeiro Lewandowski por causa da sua movimentação dentro de campo e pela grande capacidade de fazer gols.

Exemplo de profissionalismo e longevidade no futebol, Ricardo Oliveira serve de referência para o jovem Yuri. Que siga seu exemplo.

Exemplo de profissionalismo e longevidade no futebol, Ricardo Oliveira serve de referência para o jovem Yuri. Que siga seu exemplo.

O outro é o Ricardo Oliveira, do Santos, que é um exemplo profissional. Faz gols é um líder e principalmente pelo fato de ele ser um exemplo como cristão.

Tabelando – Maior sonho no futebol?

Yuri – São vários. Conquistar títulos com a Ponte Preta, jogar na Europa, disputar a Liga do Campeões. Tornar-me um dos principais atacantes do Brasil e do mundo. Jogar uma Copa do Mundo, ganhar título pela seleção brasileira. São metas e sonhos que tenho, vou me esforçar muito e em nome de Jesus vou alcançá-los.

FICHA TÉCNICA

Nome: Yuri Jonathan Vitor Coelho
Posição: Atacante
Data de nascimento: 12/06/1998
Naturalidade: Nova Era – MG
Clubes: Santa Teresa, Cruzeiro, Gol Brasil, Vila Nova da Pampulha, Atlético MG e Ponte Preta (desde 2014).